POST---26-(DICAS-PARA-UMA-ESCRITA-MAIS-CLARA)

Dicas para uma escrita mais clara

Textos com palavras diferentes e consideradas requintadas, podem deixar o texto bonito, mas a clareza pode ficar de lado em alguns casos.

Para uma escrita ser considerada eficaz ela deve seguir três primórdios: ser simples, bem estruturada e direta.

A língua portuguesa nos permite usar seu extenso vocábulo em diversas situações, no entanto, na hora de escrever uma mensagem é importante pensar no que se quer transmitir e quem irá ler. Quanto mais objetiva, curta e clara, mais facilmente será recebida. Sendo assim, não é escrevendo pouco que você será claro e nem escrevendo muito que conseguirá passar toda sua mensagem. O segredo do sucesso na escrita? É simples! A técnica para ser objetivo e chegar no melhor resultado está em ler e reler quantas vezes for necessário.

Confira algumas dicas para facilitar esse processo:

  • Leia mais: A primeira dica é que não existe um bom escritor que não seja um bom leitor. Você pode até dominar as técnicas, mas isso não significa, necessariamente, que seu texto comunique bem. Um bom texto tem ideias e argumentos que só uma boa bagagem cultural é capaz de transmitir.
  • Pratique a escrita: Treine muito. Quanto mais escrever melhor ficará.
  • Pense no leitor: Para quem você escreve seu texto? Pense nisso antes de iniciar. Afinal é necessário saber quem está lendo para fazer uma boa escolha de palavras.
  • Defina seu objetivo: Saiba exatamente o que você quer informar. Faça primeiramente uma lista com todos os pontos que devem ser abordados e qual a informação mais importante a ser transmitida.
  • Escreva a primeira versão: Faça seu primeiro rascunho e coloque todas as ideias em ordem. Nessa hora não se preocupe, é apenas um rascunho para orientar a criação da primeira versão.
  • Tenha começo, meio e fim: Os textos precisam ter começo, meio e fim. É importante seguir cada uma das etapas: Introdução, desenvolvimento e conclusão. Parece óbvio, mas muitas pessoas se esquecem e, sem uma dessas fases, o texto ficará sem sentido.
  • Faça as correções necessárias: Chegou é a hora de organizar o rascunho, completar as informações, fazer as correções de coerência, coesão e gramaticais. Agora você tem na sua mão a primeira versão.
  • Revise: Leia novamente a primeira versão e certifique-se de que nada ficou para trás. Estando tudo certo, você chegou a versão final.
  • Preocupe-se com a estética: Formate o seu texto para que fique esteticamente agradável.

Pronto! Seguindo essas dicas, a sua mensagem ficará bem mais clara e compreensível. Mas o que é uma mensagem? Tudo que tenha um receptor. Pode ser um e-mail que você envia ao seu cliente, um artigo, um post nas mídias sociais, um trabalho de faculdade, entre outros.

Portanto, leia e aprenda mais. A leitura é uma excelente aliada para a composição de melhores textos. Aqui no nosso blog, frequentemente você contra dicas de livros que podem despertar ideias e um vocabulário mais extenso.

POST---22-(DESIGN-THIKING)

Afinal, o que é Design Thinking?

O Design Thinking é uma forma de abordagem muito utilizada por designers e que foi adaptada para as empresas. O foco é a experiência do consumidor durante a busca por soluções de seus problemas.

Literalmente, o termo significa “pensamento do design” ou “pensar como designer”. Mas o que isso quer dizer na prática? São ações criadas para trazer estética a produtos e serviços e também bem-estar na vida das pessoas.

A prática foi inserida no mundo dos negócios com o intuito de inovar na hora de entregar um produto ou serviço aos clientes. Tim Brown, CEO da Ideo, empresa norte-americana consultora em design popularizou o termo pois acredita que independente da área, todos deveriam pensar como designers para enxergar todos os aspectos, observando aspectos cognitivos, emocionais e estéticos.

Dessa forma, o design thinking é um estudo, onde deve ser levado em consideração todas as informações que podem trazer experiências marcantes para o ser humano. O processo comumente é realizado através de um brainstorm com uso de post-its para que todas as ideias possam ser colocadas no campo de visão. As etapas geralmente englobam: imersão, ideação, prototipação e desenvolvimento. Nesse sentido, inicialmente é fundamental entender o ambiente e entrar dentro dele para conhecer todos os seus aspectos. Posteriormente então, começará o processo de ideias, montagem de um plano, desenvolvimento e aplicação do projeto.

Ficou interessado? Indicamos a leitura do livro “Design Thinking – Uma Metodologia Poderosa para Decretar o Fim das Velhas Ideias” de Tim Brown para aprofundar no tema.

POST---19-(DICA-DE-LEITURA)

Neuromarketing na Redação Publicitária

Hoje vamos dar uma dica de livro focado em redação. A neurociência e o neuromarketing são temas muito discutidos e com ainda maior força nos últimos anos. Isso devido a grande necessidade de se entender o que se passa na cabeça do consumidor levando-o a escolha de determinado produto/serviço.

A indicação para conhecer melhor esse universo é o livro “Neuromarketing aplicado à Redação Publicitária”, da autora Lilian S. Gonçalves. O livro aborda as descobertas feitas pelo neuromarketing e como argumentar utilizando suas aplicações nos anúncios publicitários, focadas na redação para atingir de forma certeira o subconsciente do seu público.

O livro auxilia no desenvolvimento de ações de marketing para aqueles que precisam definir melhor quem é o target, mapear comportamento do público e ainda saber qual a argumentação correta. A autora explica ainda que as respostas para as perguntas do marketing 3.0 estão na cabeça do consumidor.

Aqui vão algumas dicas:

  • Desperte os Neurônios-Espelho: Quando em suas campanhas o seu produto é consumido por outras pessoas, automaticamente quem vê também irá querer experimentar. Eles são o motivo pelo qual imitamos sem querer o comportamento dos outros.
  • Enalteça os marcadores somáticos: É necessário criar sensações únicas em seu consumidor. Pequenas ações marcam o seu público, desde a forma que foi atendido pelo vendedor, um cheiro que lembre a loja ou até mesmo uma temperatura. Basta descobrir quais são e enaltecê-las.
  • Injeção de dopamina: Essa é relativa a sensação que sentimos ao comprar algo. Permite que o corpo tenha uma similaridade com estar dopado e os neurônios se agitam mais.
  • Eficácia do Marketing Sensorial: O som do motor de um carro, o cheiro de um sanduíche, isso marca e desperta uma determinada emoção. E os textos quando descrevem perfeitamente seu uso, suas vantagens e transmitem a mesma sensação, conseguem atingir de forma certeira o seu target, ativando também os marcadores somáticos.

Além dessas dicas, ela ainda cita algumas características do texto publicitário, como discurso deliberativo, coesão textual, associação semântica, figuras de linguagem, uso da palavra “você”, precificação com algarismos 9 e apelos call-to-action.

Esse livro você já consegue encontrar em diversas livrarias. Leia e depois nos conte o que achou!