publicidade-propaganda

A propaganda é a alma do negócio

Por: Géssica Ramos – Lord Publicidade

Referências: Bloguicitário.com / marketingdesign.com 

O ditado é velho, mas a funcionalidade da frase não sai de moda, é e continuará sendo verídico o fato de que dificilmente uma empresa alcançará sucesso de vendas ou posicionamento de marca no mercado sem o uso de algum meio de comunicação, “quem não é visto, não é lembrado” já dizia René Descartes (Filósofo francês) na idade média.

“Se eu tivesse um único dólar, investiria em propaganda”.  Henry Ford. Acho que um dos maiores nomes da indústria automobilística tinha razão né?

A importância do share of mind, ainda é uma das formas mais eficientes quando o assunto é vender, empresas que não investem em publicidade acabam caindo no esquecimento e perdendo espaço entre os consumidores.

Pode parecer cliché tocar nesse assunto, mas há quem ainda pense em propaganda como gasto, e não como investimento, algo a ser pensado depois que o seu negócio já estiver estabilizado, sendo que o correto é desenvolver um plano de comunicação antes mesmo de se lançar no mercado, neste caso, o auxílio de um profissional da área pode ser fundamental, diminuindo as chances de erro, atingindo o público certo no lugar certo.

Em uma matéria sobre a importância da publicidade o blogcitario.com cita um exemplo que ilustra muito bem essa relação entre a propaganda e o crescimento de uma empresa, por um bom tempo, a marca de palha de aço Bombril, ficou sumida da mídia por simplesmente achar que o seu produto já era líder de mercado e sinônimo de categoria, acontece que a Assolan, concorrente, aproveitou a ausência e investiu pesado! Quem não se lembra daquelas divertidas paródias de músicas famosas que conquistaram o público? Resultado: A Bombril foi obrigada a ressuscitar o seu eterno garoto propaganda.

Uma empresa deve estar sempre atenta as mudanças sociais, tecnológicas e culturais, o tempo passa e para que um negócio se mantenha firme, é preciso investir tanto na publicidade tradicional quanto na internet e redes sociais, se o seu o público está migrando para outras mídias é preciso acompanha-lo, se ele ficou mais exigente é preciso atender suas exigências, focando na qualidade dos anúncios, que devido a tantas mudanças deve ser cada vez mais criativo, diferenciado e até interativo.  E claro, sempre oferecendo serviços e produtos de acordo com o que foi prometido, além de estar preparado para atender as demandas. A publicidade só ajuda no crescimento de uma empresa, quando a mesma tem consciência de seu valor, sabendo o que oferece ao seu público e como ele se comporta.

 

 

 

 

 

 

cartão-01

JOB: Naming Elementarium

A Elementarium CONSCIÊNCIA EM SAÚDE, chegou até nós com uma proposta bem bacana: Cuidar da saúde física e emocional, proporcionando bem-estar físico, psíquico e espiritual. Pensando nesse conceito a LORD desenvolveu um naming e toda identidade visual que representassem bem os seus ideais. A criação envolveu diversos estudos e certificação junto aos órgãos de registro de marca.

Elementarium:

É a variação em Latim da palavra elementar, significa algo rudimentar, simples, que seja essencial e fundamental.

Mandala:

É um tipo de diagrama que simboliza uma mansão sagrada, o palácio de uma divindade. São personificações que se manifestam na psicoterapia.

Confira o resultado!

Edição

2579293512-artigo

O ensino da publicidade e o novo eixo da profissão

Por: Paulo  Sérgio Pires – adnews.com.br

É fato que a publicidade mudou seu eixo com o surgimento da internet, mas hoje uma grande dúvida é saber se as faculdades de comunicação estão oferecendo egressos de acordo com o interesse do mercado publicitário. Ao que parece, muitas instituições de ensino superior estão mais voltadas para a midialogia, ou seja, o estudo dos meios de comunicação e seus reflexos na sociedade e na cultura, sem, porém, se concentrar efetivamente na instrução ou profissionalização dos alunos para as atuais condições do mercado de trabalho da propaganda. Há também hoje outras influências nas escolas para o atual bacharelado do publicitário que abrangem inúmeros aspectos financeiros, de markup e de gestão escolar.

Segundo a pesquisa “Perfil das Agências” da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), 38% dos profissionais recém-formados de PP são mal preparados; 54% são razoáveis e apenas 8% são bem preparados (no Estado de São Paulo).  Os números tabulados são seguramente um alerta para uma necessária mudança de posicionamento das instituições de ensino superior de Publicidade e Propaganda. Tudo leva a crer, que a qualidade do profissional em boa parte está ligada ao caráter instrumental do curso de Publicidade que parece ter perdido força na graduação para o estudo teórico humanístico puro em vários estabelecimentos do 3° grau. Essa mudança de paradigma pode ter várias razões econômicas ou de conveniência, mesmo assim, é importante sublinhar que ainda há ótimas instituições de ensino superior, formando publicitários com grande potencial.

Com o passar do tempo, dentro de algumas faculdades de Comunicação, determinadas matérias perderam força e foram sendo substituídas gradativamente por outras com viés mais sociológico ou antropológico.  Além disso, parece existir certa conveniência administrativa em relação ao aspecto da docência, porque hoje é muito mais fácil encontrar no mercado professores titulados com mestrado e doutorado em Ciências Sociais do que aqueles profissionais de Tecnologia da Informação ou Computação com esse tipo de diploma, e que a nova Publicidade exige. Alem disso, boa parte dos professores oriundos de PP ainda está se aperfeiçoando ou se familiarizando com as novidades cibernéticas.

O pior no novo cenário acadêmico são as escolas que infelizmente se recusam a ministrar conhecimentos essenciais clássicos para um futuro publicitário, tais como marketing promocional, live marketing, packing e produção de eventos; comunicação política e marketing eleitoral; marketing direto, marketing de relacionamento e CRM. Em certas situações preferem diluir o conteúdo em várias disciplinas, quando o indicado seria concentrar numa exclusiva, pelas suas respectivas profundidade e amplitude.

Nesse momento, é válido pensar com mais rigor na inclusão imediata nos cursos de Publicidade e Propaganda de disciplinas indispensáveis para a profissão na nova realidade global. Mesmo a contragosto de diversos alunos que preferem aulas “softs” e mais “gostosas”, é necessário introduzir ou reforçar nas grades acadêmicas matérias ásperas, tais como matemática, finanças, métricas, marketing digital, tecnologia da informação, webdesign, comércio eletrônico, inteligência de negócios, neurociência do consumidor, economia da informação, e também inbound marketing, design thinking, growth hacking, criatividade cognitiva, inglês técnico instrumental, além de outras disciplinas “hards” e menos saborosas. Em certo sentido, os cursos livres e profissionalizantes costumam dar respostas muito mais imediatas e sob medida para as necessidades do mercado profissional e alguns Homens de marketing já entenderam isso.