publicidade-1

Por que contratar uma agência de publicidade?

Via: Caio costa – blogcitario.blog.br

Navegando pelo Twitter, encontrei este post que explica a importância de uma agência de publicidade para o sucesso da empresa. Além disso, estabelece as diferenças entre marketing, design, publicidade e propaganda. Ou seja, leitura obrigatória para quem acha que propaganda é algo supérfluo para os negócios.

posts

Anunciar através de serviços profissionais nunca será um gasto e sim, sempre será um investimento. Pense bem: sua campanha será vista por milhares ou até milhões de pessoas e as peças vão impactar todas elas de alguma forma. E é aqui que a qualidade faz a diferença. Enquanto o “micreiro” vai colocar o máximo de informações em um outdoor ou busdoor, a agência saberá como se comunicar com eficiência e conquistar o público-alvo em menos de dez segundos.

Juntando a vontade de economizar dos empresários e a facilidade em encontrar pessoas dispostas a criar anúncios sem conceitos facilitam a espalhar a ideia que muita gente tem de que propaganda é algo dispensável. Se a Nike, Adidas, Coca Cola e outras marcas gigantes pensassem assim, certamente elas estariam mortas nas mentes e corações do público nos dias de hoje.

Se você é empresário, é bom lembrar que:

O micreiro não sabe criar posicionamento para o produto que ele está anunciando;

O sobrinho-que-mexe-no-Corel-Draw não entende de diagramação e outros elementos essenciais para uma boa Direção de Arte;

O seu amigo que “quebra um galho” criando o folder da sua empresa não tem ideia de como criar um texto publicitário e não vai se importar com eventuais erros gramaticais;

A sua “eugência” vai veicular os seus anúncios nos meios que ele conhece, sem se importar com o seu público-alvo;

O bom e velho ditado “o barato sai caro” também deve ser seguido por aqui.

Por isso, é muito bom ouvir o cliente da minha agência comentar que mudou a imagem que tinha sobre publicidade ao ver as inscrições do colégio aumentar em relação ao ano passado e elogios dos pais, alunos e outras pessoas ao material criado por mim e pelos meus sócios. Antes, ele pensava que veicular propaganda era desperdício por não observar os efeitos dele no colégio. Logicamente, o responsável pelo material era alguém que “mexia no computador”.

Resumindo: publicidade de qualidade é o melhor fermento para qualquer empresa.

2579293512-artigo

O ensino da publicidade e o novo eixo da profissão

Por: Paulo  Sérgio Pires – adnews.com.br

É fato que a publicidade mudou seu eixo com o surgimento da internet, mas hoje uma grande dúvida é saber se as faculdades de comunicação estão oferecendo egressos de acordo com o interesse do mercado publicitário. Ao que parece, muitas instituições de ensino superior estão mais voltadas para a midialogia, ou seja, o estudo dos meios de comunicação e seus reflexos na sociedade e na cultura, sem, porém, se concentrar efetivamente na instrução ou profissionalização dos alunos para as atuais condições do mercado de trabalho da propaganda. Há também hoje outras influências nas escolas para o atual bacharelado do publicitário que abrangem inúmeros aspectos financeiros, de markup e de gestão escolar.

Segundo a pesquisa “Perfil das Agências” da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), 38% dos profissionais recém-formados de PP são mal preparados; 54% são razoáveis e apenas 8% são bem preparados (no Estado de São Paulo).  Os números tabulados são seguramente um alerta para uma necessária mudança de posicionamento das instituições de ensino superior de Publicidade e Propaganda. Tudo leva a crer, que a qualidade do profissional em boa parte está ligada ao caráter instrumental do curso de Publicidade que parece ter perdido força na graduação para o estudo teórico humanístico puro em vários estabelecimentos do 3° grau. Essa mudança de paradigma pode ter várias razões econômicas ou de conveniência, mesmo assim, é importante sublinhar que ainda há ótimas instituições de ensino superior, formando publicitários com grande potencial.

Com o passar do tempo, dentro de algumas faculdades de Comunicação, determinadas matérias perderam força e foram sendo substituídas gradativamente por outras com viés mais sociológico ou antropológico.  Além disso, parece existir certa conveniência administrativa em relação ao aspecto da docência, porque hoje é muito mais fácil encontrar no mercado professores titulados com mestrado e doutorado em Ciências Sociais do que aqueles profissionais de Tecnologia da Informação ou Computação com esse tipo de diploma, e que a nova Publicidade exige. Alem disso, boa parte dos professores oriundos de PP ainda está se aperfeiçoando ou se familiarizando com as novidades cibernéticas.

O pior no novo cenário acadêmico são as escolas que infelizmente se recusam a ministrar conhecimentos essenciais clássicos para um futuro publicitário, tais como marketing promocional, live marketing, packing e produção de eventos; comunicação política e marketing eleitoral; marketing direto, marketing de relacionamento e CRM. Em certas situações preferem diluir o conteúdo em várias disciplinas, quando o indicado seria concentrar numa exclusiva, pelas suas respectivas profundidade e amplitude.

Nesse momento, é válido pensar com mais rigor na inclusão imediata nos cursos de Publicidade e Propaganda de disciplinas indispensáveis para a profissão na nova realidade global. Mesmo a contragosto de diversos alunos que preferem aulas “softs” e mais “gostosas”, é necessário introduzir ou reforçar nas grades acadêmicas matérias ásperas, tais como matemática, finanças, métricas, marketing digital, tecnologia da informação, webdesign, comércio eletrônico, inteligência de negócios, neurociência do consumidor, economia da informação, e também inbound marketing, design thinking, growth hacking, criatividade cognitiva, inglês técnico instrumental, além de outras disciplinas “hards” e menos saborosas. Em certo sentido, os cursos livres e profissionalizantes costumam dar respostas muito mais imediatas e sob medida para as necessidades do mercado profissional e alguns Homens de marketing já entenderam isso.

 

 

 

 

compras

15 de março – Dia mundial do consumidor

CONAR

No dia mundial do consumidor, é justo destacar a importância do CONAR (Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária) órgão a serviço do consumidor, que tem como dever evitar a veiculação de campanhas de conteúdo enganoso, ofensivo ou abusivo, mantendo a ética dentro da publicidade.

No final dos anos 70, em meio a ditadura militar, uma ameaça do governo visava censurar todas as propagandas que iam ao ar, onde somente depois de um carimbo escrito “de acordo” dado pelos agentes federais, é que as publicações poderiam rodar. Não tendo a população nenhum tipo de acesso, ou direito de opinar.

Diante desse cenário, os redatores Mauro Sales e Caio Domingues instituíram no III Congresso Brasileiro de Propaganda uma proposta de auto-regulamentação para estes anúncios, lutando contra a censura e pelos direitos criativos. O CONAR foi criado em 1980, dois anos após a luta dos publicitários no congresso de propaganda, a diferença, é que o órgão não avalia uma propaganda antes de ir ao ar, ele só age a partir do momento em que alguém tem alguma queixa sobre algum anúncio.

É uma ONG encarregada de fazer valer o Código Brasileiro de Auto-regulamentação Publicitária, seu objetivo é promover conciliações entre associados em conflito. Não é, nem de longe, uma entidade conservadora, nem poderia, pois publicidade e conservadorismo decididamente não combinam. Repudia qualquer tipo e não exerce em nenhuma hipótese censura prévia sobre peças de propaganda.

Os preceitos básicos que definem a ética publicitária são:

  • Todo anúncio deve ser honesto e verdadeiro e respeitar as leis do país.
  • Deve ser preparado com senso de responsabilidade social, evitando acentuar diferenciações sociais.
  • Deve ter presente a responsabilidade da cadeia de produção junto ao consumidor.
  • Deve respeitar o princípio da leal concorrência e deve respeitar a atividade publicitária e não desmerecer a confiança do público nos serviços que a publicidade presta.

Vale lembrar, que não só para nós publicitários, mas para todos os consumidores, essa é uma das grandes conquistas na história da luta em relação a liberdade de expressão.

Fonte: www.conar.org.br

POST_13

LANÇAMENTO: Empreendimento imobiliário Residencial Ana Cardoso

Em tempos de crise, adquirir um terreno ainda é o investimento mais seguro para sua família. Uma grande chance de sair do aluguel e ter o seu cantinho próprio. Foi pensando nisso que criamos para a INLOT Incorporações uma campanha de lançamento do Residencial Ana Cardoso em Itumbiara/GO.

O trabalho consistiu na construção do conceito, criação de todo o material impresso e para mídia exterior, bem como o planejamento de mídia. Para fechar, organizamos no dia 07/05 o lançamento para a população. O evento proporcionou um delicioso café da manhã, com diversas brincadeiras para as crianças se divertirem enquanto os pais conheciam um pouco mais sobre esse empreendimento. Para isso, fizemos todo o planejamento e organização do lançamento, bem como a divulgação através de impressos, mídia externa, rádio, TV local e trio elétrico.

18 a 31

7 dicas para trabalhar com publicidade

No último ano do colégio começa a pressão para a escolha de um curso universitário. Esse é um momento muito complicado para alguns jovens. Afinal, sua decisão naquele momento vai dar um rumo para sua vida profissional por, no mínimo, os próximos anos.

É por isso que antes de escolher um curso é importante buscar o máximo de informações possível. E, após estar na área, se aprimorar constantemente para permanecer com sucesso.

Confira algumas dicas:

  1. Entenda a diferença entre as habilitações de Comunicação Social: O curso de Comunicação Social é composto por 3 habilitações, sendo elas: Publicidade e Propaganda, Relações Públicas, e Jornalismo. Entenda o que cada área faz para não confundir a atuação das três.
  2. Saiba o que esperar da profissão: Um publicitário pode trabalhar em diversos ambientes. Seja em agências ou sendo o cliente, o importante é procurar entender e tentar até ver de perto como é o ambiente e o dia-a-dia do profissional. Para ser publicitário você não precisa ser o mestre no Photoshop e no Illustrator. Você pode se identificar mais com outras áreas como atendimento, planejamento, mídia, produção. São muitas, descubra o que te atrai mais.
  3. Avalie o seu aprendizado: Além do que aprende na faculdade, busque diversas fontes de informações que complementem seus estudos, participe de cursos extras, palestras, workshops, troque informações com outras pessoas.
  4. Estude as possibilidades de trabalho: Agência de publicidade não é o único local de trabalho para um publicitário. Você pode trabalhar em produtoras, veículos de comunicação e diversas empresas em departamentos de marketing e comunicação.
  5. Faça estágio: É a melhor forma de sentir o dia-a-dia de um publicitário. É uma experiência muito rica que pode te mostrar qual a área dentro da publicidade que mais te agrada.
  6. Tenha um portfólio: Depois de alguns trabalhos prontos, elabore um portfólio com o melhor que você tem. Isso é importante para as entrevistas pois poderá mostrar do que você é capaz.
  7. Busque o seu lugar e se mantenha firme: Depois que estiver no mercado, busque sempre se qualificar, esteja sempre atento às novidades. Assim, você conseguirá manter o seu lugar como publicitário dentro desse mercado tão competitivo.

 

POST--07-(SNAPCHAT)

Vídeos online serão mais populares que redes sociais em menos de 5 anos

Há uns dois ou três anos a sua timeline do Facebook não era repleta de informações como é hoje, não é mesmo? A quantidade de fotos, vídeos e posts em forma de texto eram muito menores.

Hoje o Facebook encabeça o ranking de acesso no Brasil, representando 28% do trafego móvel. Porém, isso vai mudar. A tendência que vem sendo percebida nos últimos tempos é que o Facebook será substituído por sites e aplicativos de fotos e vídeos. A explicação está em conexões mais rápidas, o aumento de dispositivos com telas maiores disponíveis no mercado e o papel da mídia como provedora do conteúdo online.

Um aplicativo de vídeos que vem em uma impressionante crescente é o Snapchat. Hoje, 60% das pessoas de 13 a 34 anos que possuem smartphones já usam o Snapchat para trocar mensagens e ele desponta como o aplicativo com maior volume de imagens compartilhadas, deixando para trás o Facebook, Instagram e Whatsapp. As ações publicitárias por enquanto são mais comuns em outros países, como o caso da KFC Austrália que utilizou o Snapchat para divulgar o mais novo taco da rede, e o resultado foi o número de 3 mil visualizações em apenas 3 horas, ou como a Heineken que utilizou o aplicativo para dar pistas de um show em um evento trazendo assim, um conteúdo exclusivo e popular entre os jovens.

Segundo estudos, em 2020 a transmissão de vídeos irá corresponder a 55% de todo o tráfego de dados de redes móveis, com crescimento anual de 45% durante o período.

Conte com a Lord Publicidade na hora de criar estratégias para uma presença mais efetiva na internet.

POST--10-(DRONES)

Ações de publicidade com drones

Você sabe o que são drones? Então, prepare-se! Você vai ouvir falar muito disso por aí.

Os drones são veículos aéreos não tripulados, e a principal utilidade tem sido em serviços de imagens. Eles são muito utilizados na agricultura para monitorar lavouras, também são usados por empresas de segurança, construção civil, eventos, inspeções técnicas e no setor imobiliário.

Analisando esses usos, o mercado publicitário se interessou pelo equipamento e já pensou em diversas ações que podem ser realizadas para atrair a atenção do público e da mídia. É um serviço diferente, que com a união de um bom time de desenvolvedores que pensam fora da caixa e um bom planejamento estratégico, podem gerar peças publicitárias bem diferentes e de muito sucesso.

Além de um novo ângulo para filmagens, o mercado publicitário encontrou nos drones uma possibilidade de chamar atenção do seu público. Como foi o caso da Baby Dove, primeira linha de produtos para bebê da Unilever no Brasil. Eles realizaram uma ação no início desse ano, no Rio de Janeiro, onde o equipamento com um pano branco amarrado ao bico, parecendo uma cegonha, sobrevoou a Lagoa Rodrigo de Freitas e entregou para as mamães que passavam por lá, um sabonete líquido para bebê.

Em outros países, existem campanhas como: filmagens utilizando takes aéreos; filmagens de esportes em um ângulo completamente novo; aplicativos de interação com drones (uma ducha de água na praia, um drone garçom); drone com projetor; etc. Além de tudo isso, há vantagens também na exposição orgânica (SEO), visto que essas ações diferentes geram muitas menções em diversas mídias online.

Ficou interessado? O investimento em um drone pode começar em US$ 2,5 mil ( o equivalente a R$ 5,2 mil), alguns modelos chegam a custar muito mais. No Brasil, há cerca de dez fabricantes e a venda é permitida, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) restringe o uso dos equipamentos. Além disso, é necessário obter autorização do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).

POST---26-(DICAS-PARA-UMA-ESCRITA-MAIS-CLARA)

Dicas para uma escrita mais clara

Textos com palavras diferentes e consideradas requintadas, podem deixar o texto bonito, mas a clareza pode ficar de lado em alguns casos.

Para uma escrita ser considerada eficaz ela deve seguir três primórdios: ser simples, bem estruturada e direta.

A língua portuguesa nos permite usar seu extenso vocábulo em diversas situações, no entanto, na hora de escrever uma mensagem é importante pensar no que se quer transmitir e quem irá ler. Quanto mais objetiva, curta e clara, mais facilmente será recebida. Sendo assim, não é escrevendo pouco que você será claro e nem escrevendo muito que conseguirá passar toda sua mensagem. O segredo do sucesso na escrita? É simples! A técnica para ser objetivo e chegar no melhor resultado está em ler e reler quantas vezes for necessário.

Confira algumas dicas para facilitar esse processo:

  • Leia mais: A primeira dica é que não existe um bom escritor que não seja um bom leitor. Você pode até dominar as técnicas, mas isso não significa, necessariamente, que seu texto comunique bem. Um bom texto tem ideias e argumentos que só uma boa bagagem cultural é capaz de transmitir.
  • Pratique a escrita: Treine muito. Quanto mais escrever melhor ficará.
  • Pense no leitor: Para quem você escreve seu texto? Pense nisso antes de iniciar. Afinal é necessário saber quem está lendo para fazer uma boa escolha de palavras.
  • Defina seu objetivo: Saiba exatamente o que você quer informar. Faça primeiramente uma lista com todos os pontos que devem ser abordados e qual a informação mais importante a ser transmitida.
  • Escreva a primeira versão: Faça seu primeiro rascunho e coloque todas as ideias em ordem. Nessa hora não se preocupe, é apenas um rascunho para orientar a criação da primeira versão.
  • Tenha começo, meio e fim: Os textos precisam ter começo, meio e fim. É importante seguir cada uma das etapas: Introdução, desenvolvimento e conclusão. Parece óbvio, mas muitas pessoas se esquecem e, sem uma dessas fases, o texto ficará sem sentido.
  • Faça as correções necessárias: Chegou é a hora de organizar o rascunho, completar as informações, fazer as correções de coerência, coesão e gramaticais. Agora você tem na sua mão a primeira versão.
  • Revise: Leia novamente a primeira versão e certifique-se de que nada ficou para trás. Estando tudo certo, você chegou a versão final.
  • Preocupe-se com a estética: Formate o seu texto para que fique esteticamente agradável.

Pronto! Seguindo essas dicas, a sua mensagem ficará bem mais clara e compreensível. Mas o que é uma mensagem? Tudo que tenha um receptor. Pode ser um e-mail que você envia ao seu cliente, um artigo, um post nas mídias sociais, um trabalho de faculdade, entre outros.

Portanto, leia e aprenda mais. A leitura é uma excelente aliada para a composição de melhores textos. Aqui no nosso blog, frequentemente você contra dicas de livros que podem despertar ideias e um vocabulário mais extenso.

POST---24-GAMES

Publicidade nos games: Vale a pena?

Os meios de comunicação surgiram como entretenimento, entra nisso a televisão, o rádio, o computador e os jogos eletrônicos. E as empresas viram nesses meios uma forma de veicular o seu produto/serviço, fazer uma propaganda.

Com o passar do tempo, as pessoas se acostumaram a mudar de canal na TV ou estação de rádio quando começavam os comerciais. Foi aí que perceberam um grande potencial de inserção de mídia nos jogos. Os games são hoje um bom investimento, dependendo da estratégia de marketing elaborada, pois consegue atingir pessoas com os mais diversos interesses.

Existem duas formas de se fazer anúncios publicitários em games: advergames e in-game advertising.

Advergames: São jogos eletrônicos feitos especificamente para divulgar uma marca, produto ou serviço. São mais curtos, menos elaborados, geralmente feitos em Flash e publicados na internet.

Exemplo: O jogo brasileiro Honda City foi disponibilizado gratuitamente na App Store. Trata-se de um jogo de corrida onde as pessoas se divertem e ainda divulgam a marca através de mensagens que falam das vantagens de se ter o carro e ainda tem um menu que mostra a concessionária mais próxima. Outro exemplo é o jogo lançado pela Unilever para divulgar o desodorante Axe Dark Temptation, onde a missão era fugir das garotas que se apaixonaram depois que o jogador usou o desodorante.

In-game advertising: É o nome da publicidade inserida junto ao contexto do jogo. Nesse caso, os anúncios fazem parte do universo do jogo, não aparecem de uma maneira forçada, e sim como produtos utilizados dentro dos games.

Exemplo: O Guitar Hero é um jogo muito conhecido mundialmente e lá podemos observar que os instrumentos tocados mostram marcas que existem de verdade, assim como no Fifa 10 também existem marcas reais nas roupas dos jogadores.

Resumindo, esse tipo de publicidade torna a interação mais participativa e possibilita uma abordagem diferenciada para um público bem segmentado. Vale a pena estudar se a sua empresa poderia se encaixar bem nesse tipo de mídia.

Fonte: Tec Mundo 

775---COMUNICAÇÃO-AGÊNCIA---LORD-PUBLICIDADE-15-de-dezembro

Viciados em internet: Brasileiros ocupam primeiro lugar em pesquisa

De acordo com uma pesquisa realizada pela ATKearney, empresa de consultoria de negócios, o Brasil é o país com maior número de viciados em internet.

A pesquisa foi realizada em julho deste ano, em todo o mundo, com uma amostra de mil consumidores e o resultado aponta que 71% da população brasileira navega na internet pelo menos uma vez a cada hora, sendo portanto, o maior indicador do mundo, seguido posteriormente da Nigéria (66%), África do Sul (61%) e Rússia (56%). A média de acesso global é de 51%.

Na mesma pesquisa, em uma outra categoria, a “Always Online”, o Brasil liderou novamente tendo 51% das pessoas que não desconectam em nenhum momento do dia, enquanto a média global gira em torno de 28%.

Para uma análise mais profunda, foi observado ainda quais as principais ocupações dos brasileiros na internet e o resultado foi que 58% das pessoas navegam nas redes sociais, 25% consomem entretenimento, 9% fazem compras e 8% realizam algum serviço. Para uma média global foi identificada uma média de 46% da população que ocupam o seu tempo na internet navegando em redes sociais, o que se é uma boa dica para os social medias de plantão.